/Tainá do Dr. Lauro afronta a fé do povo canoense.

Tainá do Dr. Lauro afronta a fé do povo canoense.

Compartilhe...

Eis uma grande verdade, a Igreja precisa tanto de sinais interiores como de sinais exteriores como procissões e objetos sacros de piedade e devoção. Se alguém disser que as cerimonias, vestimentas, imagens e sinais exteriores, que a Igreja Católica utiliza celebração das Missas, são incentivos à impiedade, ao invés de servirem à piedade: “seja anátema”. (Concilio Ecumênico de Trento, sessão XXII; Celebrada pelo Pontífice Pio IV, em setembro de 1562).

Mexer com as coisas sagradas é ousar em demasia e desrespeitar o dom gratuito doado por Deus aos seus filhos, este dom da fé é concedido no dia do Batismo de cada criatura que por meio deste sacramento se torna filho de Deus, portanto, desmerecer as promessas dos fieis que rogaram a intercessão da Virgem Nossa Senhora Aparecida, colocando aos seus pés suas súplicas e pedidos, são uma ofensa ao povo, à fé, a religião e acima de tudo, a Deus. Pessoas passaram mal, pessoas estão desoladas, pessoas estão indignadas e todas tem um único sentimento, que vem a ser, a indignação com a coragem da prefeita de brincar com as coisas sagradas e de humilhar a fé do povo, uma verdadeira afronta à fé do povo canoense, uma afronta a Nossa Senhora Aparecida. É a mesma coisa de se pegar a fotografia da própria mãe e rasgar, e jogar nos entulhos, e deixar numa garagem empoeirada num descaso inescrupuloso.

Toda Lagoa Da Canoa sabe que não se precisa arrancar uma imagem com um guindaste e coloca-la na carroceria de um caminhão e joga-la ao relento de uma garagem suja e cheia de entulhos para restaurar uma imagem, se é essa a verdadeira intenção, mas o que se vê é a arrogância autoritária de quem pensa que ser autoridade temporal a torna dona de tudo, até do que é sagrado. Com Deus não se brinca, de Deus não se zomba.