/Boiadeiros são suspeitos de tramar a morte de Paulo Dantas.

Boiadeiros são suspeitos de tramar a morte de Paulo Dantas.

Compartilhe...

Os delegados Fábio Costa e Thiago Prado revelaram nesta quarta-feira (06) uma trama arquitetada pela família Boiadeiro para executar o deputado estadual Paulo Dantas e a prefeita da cidade de Batalha, Marina Dantas. As investigações chegaram a conclusão de todo plano após a prisão de um dos pistoleiros contratos por R$ 300 mil.

Nos áudios entregues à Polícia Civil, membros da família Boiadeiro contam com detalhes o esquema de segurança utilizado pela família  Dantas e como seria “fácil” fazer a emboscada entre as cidades de Batalha e Jacaré dos Homens.

Segundo o delegado Fábio Costa, em entrevista a Tv Gazeta, através dos áudios é possível perceber que uma das vozes é de Baixinho Boiadeiro, que estava foragido desde 2017 acusado da morte do vereador Tony Pretinho. Além de Baixinho, os delegados acreditam na participam de outros membros da família, inclusive de um primo conhecido como Dênis Boiadeiro, que teria sido a pessoa responsável por contratar os pistoleiros em Pernambuco.

“A segurança dele são quatro caras. É um com um fuzil 556, outro com uma pistola .40, outro com uma pistola .40 e outro com uma espinguarda 12. Os seguranças deles são esses que você vê meio mundo de gente, mas não é todo mundo”, diz trecho da gravação. A ordem para assassinar Paulo Dantas e Marina Dantas seria para ocorrer em junho de 2018, quando o casal estava empenhado na campanha eleitoral.

O grupo pretendia utilizar um armamento pesado para afastar os seguranças e assassinar o casal. Em mais um trecho dos áudios uma pessoa fala em usar fuzil e uma AK47. “Aquele carro dele não aguenta os dois atirando, eu to dizendo assim, mas um só resolvia. Mas os dois atirando naquele carro preto, entendeu, e um carro virado para trás  e outro caba  ajudando com uma doze só para tanger os seguranças para trás não vem ninguém..”, (sic).

Mesmo com essa evidência da voz de Baixinho Boiadeiro, todo material será enviado ao Instituto de Criminalística para ser periciado. De acordo com os delegados, os áudios serão utilizados como peças no inquérito policial.